quarta-feira, maio 22, 2013

Museu

da próxima vez
que a exposição falar sobre afeto

eu rasgo
meu reto
e encharco
um Kandinsky



quarta-feira, maio 08, 2013

prima vera verão







  a manhã  abunda
  amanhã  a bunda






terça-feira, maio 07, 2013

inumeramarina

28, metro e meio, 6 horas, branca
marina, 9 horas, banco
bom dia
pois não?
comida
marmita
uma e trinta
marina,
pois não?
18,
ônibus,
dois ônibus
curso
sono
onze
marina
fome
marina
come
marina,
um nome
morre





quarta-feira, maio 01, 2013



acordou atônito
tosco
lacônico 
e mandou um hidropônico 
em formato cônico 
pra ver se espantava 
aquela moléstia 
bastarda





terça-feira, janeiro 29, 2013


onde houvesse
tempo
e satisfação plena
completo bem estar e
tesão constante
pouca roupa e poucas
respostas
postas à prova,
pouca gente,
não aqui
mas onde houvesse




_

sexta-feira, maio 25, 2012

números famosos



se usa muito
o 1001
e o sete
sai bem também



10017                  100   17100171001                       
        10017                                       1
10017                                         0017
  1001      71   7   100   17100171001
                  1001 710017          00171
100   17                                        001
                   
77777777777777  77777777777777
77777777777777  77777777777777
77777777777777  77777777777777
77777777777777  77777777777777
77777777777777  77777777777777
77777777777777
77777777777777
77777777777777
77777777777777
77777777777777

10011001
10011001
1001
             
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111
111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111


                    
                      00000
                   00000000
                      00000                                                    


                                                 171001
10017                  100   171001            71001                       
        10017                       1
      10017                                         0017
            1001      71   7   100   171001710                01
                  1001 710017          00                                                       171
    100   17                                          001



quarta-feira, março 30, 2011

1




QUATRO    FAIXAS   LARGAS   DE   RUA   PROJETADA

  lua                               prédio            

SOBRE   O   ROSTO,   ILUMINANDO   A   FUMAÇA   E

antena             lâmpada      prédio           prédio

O  LÁBIO  QUEIMADO,  UM SUSTO,   INSTABILIDADE

 casa    tenda     poste        prédio           prédio

OS OLHOS ABANDONARAM  BRILHANTES  VERMELHOS

 porta   carro      poste        porta            porta

A VENEZIANA.  DALI  PARA  A  PORTA,  ESTAVA  NA

                                                                                 a          u    r  

2





                                                      um cão
                                                                                   criança
                   
              carro parado      sinal                  atravessando

                                            a rua

senhora sentada, saia sobre o branco.
mala sob o banco.








3







         
          POSTE
                                       
                                       POSTE

                                                                    POSTE

                                                                                    Cara estranho na esquina.

                                                                                                                      - Quanto?

- Tanto.

                                                                                                                          - Já.

                                                                        1


                                            2

               3

Quatro passos.








terça-feira, dezembro 07, 2010

Ecuador

.
.
.
.
.
.
.
.
.



v e r s o s     v á r i o s     e m e n d a n d o     e s t r o f e     i n t e i r a     a p e n a s     l i n h a     s o b r e     o     m e i o     d o    m u n d o 



.
.
.
.
.
.
.
.
.

.
.

domingo, dezembro 05, 2010

.


e de um suco de manga com amoras
                                                                mofadas
(te juro, Caio, eu também senti):



Vaso

Flores sugando água. Natureza desmorta.

Gota após gota gotícula

Gravidade vencida
                                                           - Sobe, água, deschove.

Download sensorial
                                                                                                                               orgânico (um sinal)
                          
halter líquido, eterna ascensão, ereta ascensão,
                                                                                                                                upload vital.
                                  
       Água, tinta, vai, pinta
 verdes folhas que desencolhem
depois se iluminam,
                              Des-alunecem.

(não em vão)
                                                                                                                Flana luz, vai às pontas
                                                                                                                pontos de cor

Gineceu                                                            
   Pétala 
                                                                Ovário de cor



Água que encharca
Desimunda / Limpa

Água que DES
Água que RE

-  Água, me limpa, água
que inspira.

terça-feira, novembro 02, 2010

Fazenda

eu entendi do que se trata
e qual é o seu poder,
                                   homem do campo
                                   homem do alto
                                   homem montanha marceneiro
e pedreiro
que lida com as vacas
coelhos
cabras llamas patos
galo e galinhas
lida com aranhas
e ainda as cobras e
porventura
                                                    BICHOS MAIORES
inadvertidos,
que desassosseguem o bezerro ou outro bicho
filhote
qualquer
ou pequeno,
o bicho que for (ademais do gato,
animal folgado)

jardineiro,
este homem das cores que bem entende
tinge o seu quintal
                                                              - pincel de flores -
e de um mês para o seguinte, vêm
                                              
vermelho forte
vermelho fosco
                                             faz surgir roxo
                                             flores laranjas
                                             traz flores rosas
                                             rosas rosadas
várias tão brancas
e um girassol

               estabelecendo o reequilíbrio geral do local

brotam abelhas
                                       s e m p r e l i g e i r a s
                                       e uma constelação, borboletas,                                   
                                                                    (jardineiro do ar)
enfeitiçadas por este cheiro de mato,
pinheiros de menta.

Homem do campo, percepção profunda
mente diferente
afinada
Que se preocupa (um exemplo)
                                                        em levantar com duas cordas
                                                        uma árvore das mais idosas
                                                        ressecada, porque cresce torta

                                                                                                             - ¡hay que levantarla!
                                                        e haja força e suor 
                                                        no braço e na espalda

¡hay que alimentar a los conejos! -  dice la dueña

                                                     até que a corda finalmente se parta


e que todo o ciclo se redesperte


assim,


Sorata, outubro de 2010

La capital más alta del mundo



ZAZ TRAZ VELOZ!
Reitero
Reitero inconstante
REITERO
traz veloz é um mistério
eu reitero
                um tera
                um terço um sétimo
traz-veloz
                                                      um abcesso
                                                      a cada esquina
                                                      gigante como um Illimani inteiro
                essa pedra de gelo gelando a cidade
                                                                          Drink caótico
desde lá dO Alto
                e neste lado dos quatro
por onde passava um
rio que
hoje
porque foi lindo
                        é asfalto.
jaz aqui o degelo andino
gris túmulo

inteiro tumulto


La Paz me engoliu e eu estou tonto

Este povo vive sem ar
Este povo não tem quase nada


La Paz, outubro de 2010

O Desprezo (ou o Inconstante)

Reconheço o meu crime.
SOU CULPADO.

Auto-
         sentença INAPELÁVEL,
                                                  ABSOLUTA
e portátil.

HOJE EU SOU PENA e
me a arrasto
marrasto
              na rua, na cama
              (pena pesada)
Ou homem,
sou cárcere. Matado.
Me atado:



É do sentir intenso que nasce a sentença
                                        (como muito ar no peito me soa àrrogância)?


          Antecipo-me
atento:
          Respondo que NÃO.




Afinidades fonéticas não fazem verão.
Perdão.


*   *   *


Culpa Pena Homem Cárcere
                             sou-me estrangeiro também.
Existindo - Inxistindo
   EU ME ERRO

                                 (conceito ou juízo, me digno de nota:os refluxos afetivos são dolorosos e ardem 
como as regras que toda mulher sente 
e eu não)


Transpiro.
O que é completo é impaupável e existe
como é o eterno o que sempre
esteverá
aqui
foi será como ainda
é nesses minutos soltos de reflexão
(a pausa no poema, intromissão da razão)



*   *   *



serei era como agora
sigo mutante,
a minha metade
e te nos duplico
                                    NUM DESAFIO A MATEMÁTICA
um desperdício
dois contransensos
vivos no retorno eterno
ou pelo Aleph borgeano
                                                                    pela filosofia senil da Isabel, a vizinha


Alma não é língua 
e não se traduz
(não se encaixa afinal de contas num código o que é inteiro nuance)




*   *   *

Se fui raiva agora não estou.
O poema nasceu, não é.

Cada verso é demasiado lento
Se atrasa
como se arrastam sempre as linhas de um parágrafo 
Convencional.

Falta-nos vida.






Buenos Aires, setembro de 2010

Guia

las calles sueñan baillar 
y despertar bajo dibujos ineditos
mientras estoy durmiendo

mañana todo será nuevo
de nuevo
cotidiano al revés

yo-sueño,
en medio al frio

Soy un estranjero.
En fin lo soy.



Buenos Aires, agosto de 2010

domingo, maio 30, 2010

feitoafetivo



. ... .....................................Mondrian


____
é Todo
feito
afetivo
o espaço que eu pinto
sou Cor

o espaço que eu tinjo
é pouco
efetivo
é sensível
Ator.

o espaço
que eu pinto é afetivo
com efeito
tão Flor, um tormento
torpor ator minto
tão
COR.

o espaço em que eu vivo não é vazio
lamento

o espaço que eu minto é suspeito


O ESPAÇO QUE EU SINTO

É


.


o sorriso é imenso, senhor.

quinta-feira, maio 13, 2010


ELETRÔNICO

Mais humano que pirado
não sei mais me comportar.
Mais humano que pirado
mais
humano
que pirado
Mais humano que pirado
tun-tun
tun-tun
tun-tun
mais humano que pirado
não sei mais me comportar.
Mais me comportar,
comportar.
Me comportar.
portar-me que
cortar-me em que?
Mais humano que pirado
tun-tun tun-

tun
Ser humano
é um enfado
mais humã nuquipirado
um engradado
de asfalto e de uma relação complexa de altura
superioridade
/inferioridade
GORDURA
o mal da
GORDURA
me dá uma gastura aqui no meu peito
não sei mais me comportar

quinta-feira, dezembro 03, 2009

si



sexta-feira, outubro 09, 2009

.


prova do amor é que os poemas saem de dois em dois


.

ao Chico

Tudo. Tudo.
Isso.
Isso Seria.
. Uma chuva
de Confetes.
. Como é
A título de.

.C.u.r.i.o.s.i.d.a.d.e.
Um poema. . .
. . .Como.

Es. . .

Como esse.

e o que Seria








E o que seria sem a influência?

O Borges
- veja só a que me meto -

O Borges fala sobre um bosque
- falando-se em caminhos
ele diz que a literatura
_____________________a boa literatura
assim como a vida
- essa parte é minha -

há de ser como um bosque.

Não um campo
aberto,
_____________________(há flores e perfume no meu bosque)
nem uma floresta
fechada.
_____________________Mas um bosque
cheio de árvores,

__________________________________________nem tão distantes










nem tão próximas.

O jogo, o jogo se dá
dá-se o
tempo todo

pela escolha
entre qual lado se jogar quando
se

quando se estiver encarando frente
_______________________a frente a primeira
árvore.

E depois a outra.
e outra.

__________________________________ Diz mais, ele

o Borges diz que os caminhos fechados
ou os definidos

os certos
ou os errados

__________________ já que errados são os certos E os errados, visto que não há certos

diz que esses caminhos
são fracos

fracos e rasos.


A incongruência
é que a influência,

aqui,
nesse poema,

não é Borges,
e é do Maranhão.

Num cofo de quintal na terra preta cresciam plantas e rosas
(como pode o perfume
nascer assim?)

gullar
A Ferreira
deixo a minha
admiração

segunda-feira, agosto 17, 2009

Orla



Tem /duas caras/ a tranquilidade,

conforto /
e desconforto.


Arroubo di/cotômico:
bem-vindo regozijo pacífico/
ora ânsia por movimento.
Oro à ordem / quero o caos.

Brigo por uma serenidade que não me
/basta/
falta-lhe briga.

Me frustro.

Procuro na guerra abrandar um /coração/ que não sossega,
nêga,
com a /paz.

Sou brusco.

Mas se a calma
não é plena
E se a paz
me é estranha
Por que me desgasto tanto?

De tudo desgosto um tanto.

terça-feira, junho 02, 2009

e.2

ao lado
o lago

__________- lago ao lado__________
_____- logo ao seu lado. logo ao nado
___________- nado ao seu lado_____
________- não não nado___________
______- não ao meu lado__________
_____- sou eu ao lado_____________
________- não vou ao lago_________
__________- sou eu o_____________
____________lago________________

e
o lago
ao
lado

e.1





quinta-feira, janeiro 22, 2009

uma pena

tô aqui há
tanto
tempo

tentando








te escrever esse poema


.

terça-feira, janeiro 20, 2009




quinta-feira, julho 17, 2008

O bagaço feliz


A solidão bonita e amarela, já a ausência é uma merda.


That's what I call saudade, my friend.



.

segunda-feira, junho 02, 2008

Plágio Descarado

- É que eu te achei meio maluco e lembrei que já tenho muitos amigos pra administrar.

- Eu ia mesmo falar sobre amigos.

- Rapaz, a gente se conheceu na saída de um cinema, eu esperando a minha namorada retocar; não, retocar, não, ela não retoca a maquiagem quando vai ao banheiro, ela recoloca, ela sai uma arara amazônica, mas, eu estou lhe dizendo, eu fumava um cigarro pra só esperar que ela voltasse do banheiro! De repente me sopra até a orelha um vendaval de saliva retórica, uma mamata fraca, um papíssimo furado e ainda por cima chato, do tipo do qual eu não tive o menor saco nem pra não esquecer, olha só essa frase!

- Eu só queria...

- Eu só queria é o caralho. Eu é que só queria beber um vinhozinho de ruim pra razoável, comericar umas porçõezinhas charmosas e voltar pra casa, trepar de novo, mais nada! Você olha só o tanto de palavrão pra que eu tô tendo que apelar, olha o meu tom de voz, você olha só o meu nervosismo! Você, por favor, você pára de me atazanar.

- Falando em você, viu o último do Kiarostami?

- Pu, ta que me pariu. É disso que eu tô falando! Aaahg, você tá tentando me deixar maluco, olha pro meu cabelo, olha a minha mão destruindo o meu cabelo, qualquer um sabe melhor do que ninguém que eu nunca esbarro no meu cabelo, que o meu cabelo é um saco, dá trabalho, coça... É foda, você olha que tu tá me deixando maluco, arruma outra roça pras tuas batatas; planta, mas longe daqui!

- É disso que eu tô falando.

- Disso, o quê?

- Batatas. Se você reparar direitinho, o Bentes, aquele professor que escreveu um livrão sobre o Kiarostami, eu até tenho lá em casa, se você quiser dar uma olhada a gente pode marcar de trocar umas idéias sobre ele, fazer uma leitura, tentar um debate; nesse livro do Kiarostami, não do Kiarostami, não, sobre o Kiarostami, do Bentes, o tal professor, ele rima umas falas baratas sobre batatas.

- Eu desisto. Olha só a que nível eu cheguei. Olha. Olha a minha calça. Olha a... Eu me mijei. Me mijei depois dos quarenta, agora eu só paro quando parar de vez de mijar... Olha só a minha vida.

- Continua assim. Sem perceber, você está pegando o espírito. É isso aí. Mijar. Você já ouviu falar que batata sua?

- Que batata minha?

- Que batata sua do verbo suor!

- Ar! Do verbo suar!

- Você vai tentar de novo tirar onda com a minha cara, mas dessa vez não vai rolar. Ar. Me escuta ao menos uma vez.

- Me promete que essa é ao menos a última.

- O que eu estou lhe dizendo é que batata sua menos do que mija.

- Não.

- Não o quê?

- O Kiarostami não fala sobre batata mijando nem aqui nem na puta que pariu, de novo. Olha só o espasmo na minha perna, olha só o espasmo!

- É esse o problema do ser humano, a sua raça, vocês são céticos. Nós não somos.

- Outro!

- Que vocês são

- Espasmo.

- são muito emparedados, estão mais pra lesma do que pra pérola.

- Meu rapaz, eu só queria dizer que lhe agradeço pela sua simpatia, por você ter me achado um cara legal, por ter achado que eu sou obrigado a ouv, não, respira; eu te agradeço por tudo, meu camarada, mas eu realmente não vou mais poder lhe dar atenção. Na vida. Atenção na vida, eu tô falando. Não leva a mal. O problema tá em m, digo, então é isso, fica-se tudo assim, boa sorte e até mais ver.

-

- Até mais ver, não, até até, até porque a gente não vai mais se ver.

-

- Eu espero que você tenha entendido.

- A batata mija...

- Basta.

- A batava mijav...

- Fim, rapaz, fi-nhê, fim, acabou.

- AbatatamijavalágrimasnofilmedoKiaros...

- Não quero mais ouvir. Acabou.









- Ei!

sábado, maio 31, 2008

.
exercício de empobrecimento da rima - parte XXX.


estudo obsceno da poesia e o teatro - parte IV.

05.2008 - R.


* * *



"... e quando eu te olho no espelho, eu fico vermelho. Um beijo".

narrador

Foi forte aquela carta, foi coisa pesada. A menina ficou estatelada, no banheiro, pelada, e só voltou à parada, só depois de umouduas talagadas numa velha cachaça já escassa, coitada, velhaça.


atriz seminua perambulando por um quarto, mãos na cabeça e as costas semi-cordundas, um papel na mão direita e, na esquerda, um gargalo.


narrador

Desgrudou do espelho o papel e pensou muito sério em bordel, nem pegou o chapéu - voz masculina em off, bem atormentada, ressequida, impostada, meio tremida, embaçada- "... e, meu bem, você sabe que eu nem sei bem quem, sei quem vem, só que isso não dá pra provar, porque aqui eu só tenho o pensar e, apesar de te amar, não vou nem suportar essa sina tão pobre, tão esnobe e verbal e moral, sexo anal, e o cigarro aqui aceso ao meu lado não vai me acalmar..." - narrador - porque se lembrou dessa frase com desbunde, sujou a saia.



narrador


Tomas Carlos estava pinel, só podia. Uma carta assim dessa valia, tamanha esquizofrenia, ele não fazia sentido, estava destrambelhado, perdido, acabado, e esse maldito inseto insensato ainda a deixou sem sapato no meio de um quarto tão desarrumado, que, coitado, se chovesse um bocado ficava enlameado, encharcado: os móveis começavam a se quebrar.


atriz sentada no meio da sala, saia branca rodada, véu e grinalda, olhando para cima e ouvindo o teto rachar - sonoplastia.


luz de trovão e barulho de raio pela janela - atenção, sonoplastia, atenção.


narrador

O primeiro a rachar foi um vaso italiano, feito em vidro de Murano, com um formato humano e que, se não me engano, lhe foi dado por Tomas Carlos - não era coisa de qualquer beltrano, vinha de gato escaldado. E agora, quem diria! Tomas estava abobado, lhe escrevera uma carta demasiado defasada, sem nem pé nem cabeça, sem nada - ou de novo: pelada.


nua, atriz deitada numa rede, pernas pendendo cada uma para o seu lado. não encostam no chão - em suas mãos, lê-se uma carta.


luz caprichada, afinada.


voz masculina em off, timbre de peito arfante

"... O que aconteceu ontem não foi digno de nota, nenhuma, além, é claro, além do obtuário, daquele canto escuro do jornal, onde o papel é semipreto e ele mancha, ele é cheio de câncer, é cheio de tubos, cheio de balas, de balas, oposto oeste da sua Coluna Sozzial.
Eu preciso de tempo! - música compassada e grave, soturna, até que surge uma flauta, aguda, afinada, restauradora - Me espanta... Ao menos tenta. Se desencanta, vê se se faz menos bela, perde o brilho, perde esse seu sorisso, e o canto do seu olho, e as ruguinhas, as ruguinhas do canto desse seu olho, o sorriso! E esse gosto de banho, o teu corpo castanho, cor de biquini, espontâneo, tão curvilíneo e mundano, cheiro de delícia, tato à le bacanal, minha menina linda, você não tem nome, você é homme".


a flauta some em um fade orgânico, sopro mais leve.

a atriz está encurralada entre móveis e a escada, com a maquiagem pesada inteira borrada.

a chuva some e a sala se faz clara. a atriz se levanta, o pescoço esticado, ela respira, mas fecha o olho, ela se retira e a cortina,


a cortina é fechada.


Trinta e três vivas à mais pura chanchada!

...

segunda-feira, abril 14, 2008

.




SOMOS SÃO É

quarta-feira, janeiro 09, 2008

Tem poesia aqui, Marli

Fechou. Eu aproveitei pra descer e atravessar a rua bem rápido, antes que o outro lado do cruzamento começasse a chover aqueles carros todos. A avenida era só mais uma dessas grandes, em cidades grandes, com trânsito o dia inteiro e movimento razoável tarde da noite. Comigo, no ponto de ônibus, dois caras distraídos e um casal mais afastado, à doutores de alegria, se amassando numa árvore dessas normais em avenidas grandes, em cidades grandes.


O mais gordo dos dois caras apanhou logo um ônibus. Em frente ao tal ponto estacionou em seguida um carro largo, pisca-alerta cumprindo o seu papel, e eis que dele me sai um cara de macacão prateado com uma logomarca esquisita na nuca, duas palavras quaisquer em inglês, e abre à chave o porta-malas sem a menor pressa. Dois baldes, dois panos e aquela vassoura caduca e careca. Rodo. Até aí eu ainda não prestava atenção e continuava a olhar puto pro relógio da esquina - mais um desses sádicos, que insistem por quarenta segundos na merda da temperatura antes de só confirmarem que você está de fato atrasado e que a mesma desculpa mulambenta, Monique, mais uma vez, não vai colar. Respirei fundo.


E dei aquela olhada em volta. O ponto de ônibus era daqueles com um vidro enorme, estrutura grande de ferro escuro e cartazes de peças de quinta, pregados em vitrines iluminadas por lâmpadas de banheiro. Típico ponto de ônibus grande de uma cidade grande, logo em frente a um restaurante. O vidro. O vidro já estava completamente encharcado e cheio de espuma branca, aumentando além da conta aquele friozinho que bate com vento gelado na rua, depois da meia noite. Eu já quase me arrependia por não prestar atenção no sabe lá como aquele cara molhou e ensaboou aquela vidralha toda, mas essa hora desistiu do silêncio. Foi quando começou o concerto.


Com c.


O rodo fazia e repetia um mesmo caminho, sob a mesmíssima velocidade, e não deixava nenhum senão nem seco, nem sujo. O outro cara, o de preto, que também devia estar tentando esperar um ônibus, acompanhava atento os lentos movimentos verticais, mexendo de vez em quando a cabeça, enquanto eu me concentrava quase tenso nas linhas tortas que ele fazia, paralelas ao chão, mais uma vez. Volta e meia acontecia do cara de preto olhar em volta, meio a segurar um sorriso criançola, criando um palíndromo e concluindo gerúndio que eu provavelmente estaria pensando, e literalmente, no seguinte óvbio: “Caramba, eu nunca parei nem pra considerar que existisse um cara especialmente dedicado à limpeza de pontos de ônibus". Mesmo em cidades grandes.


E eu pensava exatamente no mesmo de volta, aí nasceu o cacófato corno do palíndromo fado. Podia-se chamar sem culpa aquele artista de elegante, doutor em aula de elegância, também e justamente pelo fato d’ele saber que era inegavelmente assistido e, assim mesmo, não se distrair em nenhum momento e cumprir seu papel muito além da simples faxina. Ele era nem maestro, sabia também e não pouco de coreografia. Nós dois, envergonhados, meio cansados de olhar para os lados, já quase parávamos de assistir e procurávamos a merda do relógio para disfarçar, quando enfim chega aquela mulher.

Tinha poesia ali, Marli. Antes que eu explique:

segunda-feira, dezembro 31, 2007

......................................... . .... . .. ... .. .. .... . . . . . . . . . . . . . Rio, 1º de janeiro de 2009



Clóvis, meu amor,


Passando os olhos assim, de leve, ao léu, como já diria a tua avó, ou a minha, ou a da vaca da Claudia, sei lá, eu concluo que 2008, se melhor, desandava e ficava que nem essa rabanada da tia, fria, magra, e que de tão caída, e murcha, e amarela, tá me lembrando você, o primo, e o teu rabo, desculpa.

Obrigado pelo carnaval incensado na Rua Alice e pelos elogios soprados na minha formatura; te agradeço também pelo Prestígio gostoso da última Páscoa e pela acolhida nas férias de julho, depois daquela briga pavorenta com o Julio, graças à piranha da Claudia, que mordeu e picotou todas as minhas roupas depois que ela mesma decidiu me peitar, e tacou carteira e tudo mais no aquário sujismundo da sala.

Aproveito e peço desculpas pela discussão pré-eleições, mas eu continuo insistindo pra você enfiar essa porra do Aécio no cu, ir pro Ratinho, pedir um DNA, ficar todo cagado de rico e me pagar aquela aposta que você perdeu, quando o Curingão caiu pra terceira junto com o teu Madureira.

Setembro poderia ter sido melhor, eu concordo contigo, mas que há de se fazer se a Claudia preferiu tomar aquele ônibus torto e me deixar pra sempre?

Hoje eu tô aqui, mais rijo que a rabanada, te vendo duro nesse caixotão de madeira, de lei, deitado de rei, mas fora da lei, eu sei, eu sei, eu me precipitei, mas que a porra da arma e do tiro que eu dei, por Deus, não te façam esquecer que se eu te fiz de refém foi também, mas não só, por culpa da monstra da Claudia, que voltou com o tarado do primo e aquele par de gêmeos bobos no umbigo.

Claudinha tá aqui, do meu lado, e eu acho que ela até te mandaria um beijo, não tivesse com essa mordaça amarela, feita com as pregas daquela tua calça meio persa, moderna, ou vice-versa, sei não. Ainda não decidi o que eu faço com ela, mas te conto logo mais no outro mundo, quando ela sim decidir enfim apertar esse gatilho e confirmar tudo o que eu desconfi/

do Espetáculo

àlém.